Por um final de ano sem chefes no Whatsapp

Por um final de ano sem chefes no Whatsapp

99% do nosso processo de trabalho está fora do Whatsapp.

Pra mim, o problema nunca foi a ferramenta, mas a maneira como os prazos foram se instalando e contaminando os momentos de descanso das pessoas e atrapalhando a rotina diária de tarefas, em especial nos últimos anos pandêmicos.

“Se tudo é pra ontem, o que será feito hoje? E amanhã?”

Não podemos mais seguir com esse modelo de trabalho que desestabiliza emocionalmente a maioria.

“Ah, mas nosso mercado é assim.”

Isso não quer dizer que deve ser assim. Eu sei que não estou sozinha quando digo isso.

E esse foi um ganho coletivo de toda a equipe Brunch e TOAST, as quais estou diretamente a frente da operação.
Foram quatro meses trocando o padrão emergencial que o mercado impõe, para o modelo de trabalho que prioriza qualidade de vida da equipe e agilidade na execução das tarefas. E pasmem: trabalhos trafegaram melhor, fluxos ficaram mais claros, ninguém mais se perde em áudios intermináveis.

Houve quem estranhasse e não entendesse. Houve quem achou utopia.

Mas para promover mudanças é preciso insistir, reforçar, corrigir e lembrar que o bem coletivo tem cada dia mais importância.

Não aceite o que está posto.
Não concorde com “todo mundo faz”.
Cobre mudanças.
Promova mudanças.

Boas festas e que o zap só seja acionado para trocar memes.

Escrito por el / 151 Visualizações

Sin Comentarios

Por favor publique un comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *